É hora de encarar a verdade. | Finanças e Luxo.

Estou de volta com o assunto que seduz e atormenta muitos, mas a conversa hoje é bem séria. Vamos falar de gestão de gastos, e até, gestão de dívidas.

Para tirar a vergonha que você pode sentir com sua situação financeira atual, eu posso dizer que sim, eu entendo você estar em uma situação descontrolada de dívidas. Eu entendo você até tentar organizar, mas parece impossível. Nos últimos anos principalmente a gente viu nosso dinheiro valer cada vez menos, tanto pela Inflação quanto pela cotação Real/Dólar. Pode parecer difícil entender mas o seu dinheiro vale menos hoje que quatro anos atrás.

O bicho da inflação é medido por um número que mostra uma visão geral dos preços de produtos essenciais nos mercados. Mas não é só no mercado que a gente sente. Os preços básicos de alimentos subiram, os combustíveis subiram, e a matéria-prima subiu, mas isso desencadeia em um grande fato: tudo esta mais caro. Tudo.

Além disso, o dólar claro disparou nos últimos anos. Eu lembro a uns anos atrás estar indo viajar e sofrendo com o dólar a 2.91. Pobre de mim, era feliz e não sabia. Mas claro que a cotação do dólar não tem só peso para viagens. Se você viaja para fora uma, duas, três vezes por ano, você já é minoria. Se fosse só isso, não teria tanto problema. A questão é que os preços de vários serviços e produtos estão atrelados ao dólar, simplesmente porque tanto importamos muito para manter industria e comércio, quanto também exportamos. Como consumidor, tudo que compramos tem, de algum jeito, algum componente atrelado ao dólar. Até quando exportamos, por exemplo, soja, existe alguém lá fora pagando melhor que aqui dentro (em dólar), o que pode alterar a oferta no Brasil. E quando a oferta cai, o preço sobe.

Enfim, pensamentos todos estes para dizer que é perfeitamente compreensível que pessoas que nunca tiveram problema em gerir as contas estejam sofrendo hoje. Infelizmente nossos salários não são atrelados a esses preços, não importa o que a correção anual diz. Se você conseguiu um aumento ou promoção nos últimos quatro anos, parabéns, arrisco dizer que você não é nem 10% dos brasileiros.

Eu pessoalmente, posso dizer que meus gastos aumentaram mesmo vivendo com menos luxo que quatro anos atrás, sem vergonha nenhuma. Para manter o padrão de vida de quatro anos atrás é muito difícil, mesmo ganhando igual. E pensa que a maioria dos empresários, empreendedores e tal, está ganhando menos. Com excessão de quem criou empresa agora e não tem resultado de 2012, 2013 para comparar.

O que fazer então se chorar não paga as contas? O primeiro passo é entender sua situação. É claro que eu vou sugerir uma planilha, logo eu – a menina que faz planilha para arrumar a mala. Não adianta não querer ver, tentar fugir do problema. Ele vai voltar maior até a hora que você vai ter que encarar. Vamos tomar controle das coisas?

A primeira coisa que eu sugiro é você fazer uma planilha e colocar todos os meses, a partir do mês atual. Você pode até colocar uma coluna anterior chamada Atrasos, se tem conta em atrasos. Na primeira linha você vai colocar saldo da conta corrente, seja positivo ou negativo. Se você movimenta mais de um banco, coloque uma linha por banco. Nas próximas linhas, você vai começar com o que você ganha. Faz de conta de é um salário e pronto. Ou faz de conta que você tem rendimentos, um aluguel, ou contratos como profissional liberal. Tudo que entra na conta.

Depois eu sugiro em outra cor colocar todos os compromissos que você tem certeiros, fixos, todos os meses. Aluguel, telefone, algum financiamento ou crediário. Se você parcelou um cartão de crédito em 12x por exemplo, você inclui ali. Vai pensando que aparece, estamos falando das contas maiores, fixas. Academia, Luz, Água Seguros, IPTU…

Em seguida você colocará tudo que tem comprometido em Cartão de Crédito. Isso é muito importante por que a gente tende a ignorar isso, deixar chegar no dia do pagamento e tomar um susto. Mais do que ver o do mês, na maioria dos bancos hoje você consegue ver online (e as vezes até atualizado na hora em bancos como Nubank e outros) o dos outros meses. Imagina que você ter parcela até daqui 8 meses no cartão: planilhe tudo!

Por último ficaria alguns gastos do dia a dia: restaurante, salão, compras. Você pode ou não colocar isso, é do seu critério. Como eu faço é que todo o dia eu atualizo o saldo da conta corrente na planilha, então eu deixo essas menores por fora. Sim, eu entro nas contas que tenho todos os dias. Todos.

Então imagina, a figura é a seguinte: Eu tenho tanto na conta corrente. Eu recebo tanto. Eu tenho tanto para pagar. Vai sobrar ou faltar tanto. Só de ter essa conta escancarada na sua frente, vai ficar mais fácil controlar.

Desse exercícios, você vai ter mais clareza de onde vem e para onde vai seu dinheiro. Mesmo que todo mês esteja dando negativo, você vai saber que precisa arrumar renda, ou cortar gastos. Vai poder se organizar. Vai conseguir evitar o nome negativado.

Se nessa conta sobra um pouco de dinheiro esse e nos próximos meses, ótimo, a gente conversa na próxima sobre isso. Por enquanto, exercite sempre manter sua planilha atualizada e em controle.

Se nessa conta falta dinheiro, começa a pensar em alternativas. Priorize os pagamentos mais importantes. Preste atenção nos seus gastos. Se você tem como cobrir isso, talvez tem algo para receber, algo a venda, ou dinheiro aplicado para sacar, corra para fazer isso. A meta é não gastar mais com juros e sanar as dívidas e atrasos. Se todas as possibilidades de trazer receita para cobrir o mês se esgotaram, veja se tem algum gasto que você pode postergar ou renegociar. Em última estância, procure parcelamento de cartão de crédito e veja se isso resolve o problema. A questão é, você precisa fechar esse mês sem deixar nada para trás, mesmo que for financiando algo. E não esqueça, compare os juros.

Claro que só isso não resolve, você vai precisar adequar seus gastos a realidade. Se você teve que optar por financiar o cartão por exemplo (e isso é muito melhor que só deixar em aberto, pois você paga menos juros parcelando), adicione essas parcelas na sua planilha e comece a controlar seus gastos todo o mês, até que você consiga fechar no zero, e depois, no azul.

Apesar de estar fugindo de dicas de investimento, eu não tenho como não falar disso primeiro pois eu sei que é realidade da maioria das pessoas, inclusive com quem eu convivo.  Mais uma vez, o controle trará liberdade. Você precisa encarar a situação e perceber que é mais fácil sair dela do que imagina. Conhecimento sobre o que acontece com seu dinheiro vai te ajudar.

Preciso ressaltar que acho muito importante você fazer isso já. Não me invente de falar disso em Janeiro no ano novo: se começar agora, vai entrar no ano mais tranquila, mais organizada. E quem sabe até aproveitar seu décimo terceiro (se for seu caso), de forma mais consciente.

Tem outro tocante nesse assunto importante: se você não consegue gerir cartão de crédito, cancele todos. Parcele ele e cancele. Aprenda a viver no débito. Crédito é maravilhoso mas pode ser terrível. E por último, pare de achar que viver em luxo é comprar isso ou aquilo. Você não precisa de um novo sapato se isso atrapalha a sua vida. Não compre nada que você não teria dinheiro para comprar dois deles. Essa é uma regra que eu só aprendi recentemente. Não compre tal sapato por exemplo se você não tiver dinheiro para comprar dois deles. Assim, você sabe que sempre tem um fundo emergencial e esta longe de se comprometer financeiramente por algo que não é exatamente necessário.

Eu sei que o assunto é delicado, e a maioria vai preferir ficar anônima sobre isso, mas se precisarem, me mande mensagem ou e-mail e se puder, te ajudo. A partir da semana que vem, vamos falar de investimento MESMO, combinado?

Beijos,

B.

Salve no seu Pinterest!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *