24H – Meatpacking District NYC

O post de hoje inclui alguns programas que eu ainda não tinha feito em NYC! Como fica impraticável fazer um 24H em NYC, pois ia querer te jogar para tomar café da manhã no Soho, passear lá em cima no Central Park, depois descer de novo e etc., eu resolvi fazer alguns posts da tag 24H separados por bairro/região em NYC. Aqui, coloquei Meatpacking mas estamos incluindo a area Chelsea e West Village. Vamos começar?

Esteja preparada. O gostoso dessas 24h vai ser passear a pé, fazer tudo perto e ir curtindo a cidade, mas iremos caminhar! Então minha sugestão: sapatos confortáveis. De preferência, tênis. Mas isso não quer dizer que eu estou falando para você sair “arrazani” no Asics de corrida. Aproveite a modinha dos tênis estilosos que têm mil modelos lindos e comece daí. Se quiser mesmo outra coisa, sugiro manter em mente na hora da escolha do sapato: sem salto e fechado por favor. Fechado porque, pelo menos eu, acho horroroso andar muito com sapato aberto e acabar descobrindo que sujou o pé em algo desconhecido. Então, voltando ao plano, alguns dos meus tênis atuais preferidos… Vem na minha e me agradeça posteriormente.

Chelsea Shoes 01 copy

{ QUERO TODOS! Sneakers descolados para conforto e estilo! }

Começando em cima pelos queridinhos Stan Smith, tênis da Adidas que super bombaram esse ano e ano passado, super confortáveis e fáceis de combinar, com detalhe em marinho e em verde.

Os outros dois baixo são os New Balance que acho mais lindos: limpos e em cores clássicas. Super dificil de achar em lojas mas online sempre tem. O bege com detalhe preto e o preto com detalhe cinza. Na terceira linha, vocês podem ver o Adidas Gazelle, a promessa da marca para bombar agora depois do sucesso do Stan Smith – relançado com campanha com a Kate Moss (veja aqui). Existem várias cores, aqui mostro o menta e o off white.

E por último, os vans clássicos old school, modelo sem cano em vinho/burgundy e modelo de cano alto em cinza – estilosos em cores mais femininos}

Sugestões de lookinhos ao final!

9h30- Comece com um café ou latte no Starbucks. (525 W 26th St)

097 Starbucks

Esse é nosso endereço de partida. Vamos pular qualquer comidinha agora e prometo que valerá a pena. Sou fã de Iced  Coconut Chai Latte, esse palavrão é o chá Chai indiano que é um chá preto com especiarias, adicionado de leite de coco e servido gelado e com gelo.

10h00 – The High Lane (entramos na 26th com a 10th) – fotos.

098 - High Line 01

Saindo do Starbucks, você vai se dar com uma escada para subir o High Line. O High Line é um parque suspenso na região que foi criado em um pedaço de uma antiga via de trens elevada que estava desuso em NYC. Ele começou menor e foi avançando ao norte, que continua em obras. A entrada ali na altura Starbucks é quase o fim dessa ponta ao Norte. A ponta norte do High-line hoje começa na 30th, mas esta em obra. Vale a pena olhar quando for o que surgiu pelo canto ali.

O lugar foi coberto de vegetações formando um jardim lindo e desenhado com móveis e pisos claros e modernos que remetem sutilmente a história de passagem de trem no local como bebedouros que mencionam em pinos que seguravam os trilhos e bancos em movimentos de lembrança ferroviária. Digo sútil, porque só lendo se percebe. Como esta tudo bem coberto e muito moderno, a primeira vista pouco parece algo que foi construído em cima de algo pronto. Até Chaise Lounges dispersadas pelo faz você querer um jardim daquele em casa, pelo menos por alguns segundos.

099 High Line by Night{ High Line a noite }

A passeio lá é esse, começar de um canto e ir andando para a outro direção apreciando as vistas, vegetação e o pessoal… Bem Meatpacking, bem Chelsea, bairros antigamentes de fábricas e galpões que foram renovados em bairros modernos e agitados (com também alguns dos melhores restaurantes bares e baladas). Reparem também nos prédios novos que você vê ali de cima… Modernos, com vistas e construídos do zero, raridade em outros bairrosem que para manter a arquitetura antiga e patrimônico histórico de NYC, só é se faz reformas de fachada autorizadas (retrofit) e internas.

103{ Imagem do projeto. }

O lugar naturalmente virou uma galeria em céu aberto, vários grafites lindos e enormes cobrem os prédios em voltas, até desenhos e frases melhores dando ainda mais aspecto cool ao local.

Perto de onde você vê um monte de quiosque de comidinhas e outra passagem de trem embaixo (na altura da rua 16th) você vai descer e ir para a nossa próxima parada.

11h – Visita ao Chelsea Market e brunch no The Lobster Place (75 9th Ave) 

IMG_5514{ Nos corredores do Chelsea Market fotos próprias. }

PREPARE-SE para ficar perdida de um lado por outro, pelo menos se você se importar o mínimo que for com comida (ou seja, todos os humanos que conheço). No caso de ser  MUITO foodie (AKA comer pelos olhos), prepare-se mais ainda. Outro no clima Meatbacking, Chelsea Market é um mercado/praça de alimentação enorme instalado em um prédio antigo que abrigava antigamente uma, adivinhe… fábrica. No caso, a fábrica de biscoito da Nabisco (hello Oreos!)… Tudo para já gostar do lugar né?

Na seriedade, o térreo do prédio, que abriga o mercado, é na verdade muito diferente de um mercado. Apesar de ter lojas de vinhos, queijos, padarias, frutas e etc., a maioria das lojas são realmente voltadas para ser o destino gastronômico em si, não uma passagem para cozinhar em casa.

IMG_5558{ nossas escolhas no The Lobster Place – foto própria. }

O Lobster Place por exemplo, é uma peixaria enorme com todos os tipos de frutos do mar e um balcão extenso de corredor com vários tipos de peixes inclusive com especificações de origem (não só país/oceano mas é se é criado ou pesca selvagem). Dá até dó chamar ele de peixaria, porque o que conhecemos como peixaria aqui viraria barraca. Em especial, como o nome diz, a loja vende Lagostas de vários tamanhos, tanto para levar para casa, quanto para comer ali, em pé ou encostados nas mesas balcões, com luvinhas glamour cirúrgicas e depois seguir com a sua vida.

 

{ mais do The Lobster place – fotos próprias. }

Óbviamente foi minha escolha. Junto com alguns sashimis que eu estava de olhos de qualidade MARAVILHOSA e claro, fresquíssimos… O cardápio é enorme, queria até ter voltado lá outro dia na mesma viagem, mas não consegui. Por isso recomendo o almoço aqui.

IMG_5543{ Bar de frutos do mar, também do Lobster place. – foto própria. }

112 Sarabeths{Sarabeth’s – foto. }

Fora o Lobster Place, tem vários outros lugares também de babar. Outro japonês e outras comidas asiáticas, comida mexicana, padarias, sorvetes… O diretório todo você consegue ver aqui. Destaque especial para a confeitaria Sarabeth’s, da badalada Sarabeth Levine – que já publicou esse e este livros. Você jamais imaginou o tanto de maravilhas que pode sair de um forno. Alias, vários fornos… Ao lado da loja é possível ver a peque fábrica de sonhos pelas paredes-janelas de vidros. Por que eu sou clichê e supro um vício não saudável com Brownies, deixo o próprio derecomendação.

IMG_5568{ Burger no Creamline, outro dos preferidos do Mercado. – foto própria. }

Outro destaque foi o fastfood Creamline. O conceito é comida americana com ingredientes de qualidade locais…

Na prática, se traduz para deliciosas panquecas (no café da manhã), batatas fritas e claro, hamburgers.

Nós aprovamos o combo cheeseburger e fries, mas prometo voltar para os famosos fried oreos e chicken tender. Realmente, não deu dessa vez. #foodcoma

13h00 – Visita ao Whitney Museum of American Art (99 Gansevoort Street)

lederman-o05a9997-web_2340{ Prédio e Jardim suspenso – foto . }

Seguimos, por mais difícil que seja. A próxima parada para mim é também o meu Museu preferido em NYC dos que conheço, e talvez de muitas pessoas. Para mim particularmente por eu curtir bastante pop art, fotografia e qualquer coisa com uma história intrigante por trás. A maior exibição atual chama Human Interest (fica até 12 de fevereiro de 2017) e é uma coleção de mais de 200 retratos datados desde o ínicio do século XX até hoje, com algumas obras completando 100 anos. Todos eles, do acervo do Whitney.

A disposição é bem interativa e pouco linear: mistura-se telas de 1930 com uma de 4 anos atrás. Evita-se o tédio e o tempo passa rapidamente. Até as telas menos interessantes ao primeiro olhar ou menos lógicas, demostram algo pelicular sobre em sua descrição.

IMG_5279

Steve de Hendricks.

Me prendeu o olhar: as telas em óleo de Richard McLean e Robert Bechtle, datadas em 1969 e de cores pastéis vivas (seria possível? mostro as fotos abaixo), o Elvis 2 Times de Andy Warhol simplismente por que né, Andy Warhol. (Outro Elvis de Warhol esta no Broad em  Los Angeles, que falei aqui), o Steve de Barkley L. Hendrincks de 1976 em acrílico e óleo, que ficaria ideal na minha sala (imaginária) do apartamento que estou montando (na minha cabeça).

O mais surpreendente pra mim, foi ver as três telas de Ashley Bickerton (abaixo), que não conhecia e pareceu algo simplesmente estranho, até eu ler o título “All That I can Be: Triple Self Portrait” datado 1996. WOW.

E muita fotografia emocionante diria-se, como o auto-retrato de Jack Pierson – fotográfo de Massachussets, tão vivido que parecia aquarela…

Parei de divagar aqui e deixo uma pequena galeria de fotos próprias abaixo da minha visita! Ah, e informação relevante… O restaurante no térreo do Whitney também é muito bom, mas isso é assunto para outro dia, mantemos o foco na rota.

15h30 – Segundo round no The Spotted Pig (314 W 11th St)

111 Spotted Pig{ interior – foto. }

O Whitney é até que rápido de se ver, então espero que você consiga sair pelo menos até as 15h30… Nesse momento a gente vai para o super recomendado The Spotted Pig. Digo super por que pelo menos 5 pessoas me falaram que eu tinha que comer o hambúrguer do Spotted Pig. Curiosidade: meu noivo tem uma hamburgueria então quando conhecidos comem algum hambúrguer que acham bons vira necessidade que o casal aqui prove.

Confesso que eu não tenho sempre excelentes experiências. O gosto para hambúrguer das pessoas tende a me surpreender negativamente. Por exemplo, desde 2014 falaram que eu tinha (ênfase no tinha, daqueles IMPERDÍVEL, necessário, sem o qual não existe vida, não existe viagem, não existe Nova Iorque) que comer os dois hambúrgueres do Minetta Tavern. Moral da história? Fui agora e eu realmente não gostei. At all. Eu nomearia os hamburgueres “Where’s my cheese?” e “No bacon, no deal.”

110 Spotted Pig{ o famoso burger do Spotted Pig, e batatas fininhas – foto. }

Voltando ao Spotted Pig: em uma esquina bonitinha, interior bem escuro, provalvemente a loja é um pouco antiga mas até que com um charminho… você encontra o Spotted Pig. Primeiro, me surpreendi, achei que ia ser um fast food mesmo, mas na verdade é um restaurante. Vi um queijo quente (grilled cheese) passando maravilhoso, que não provei e ainda lembro dele. Pedimos conforme pessoas obedientes que somos o hamburguer deles, que é com queijo Roquefort e batata shoestring, o que significa fina como um cadarço de sapato.

Apesar de eu não ser fã de roquefort, a combinação estava perfeita. O pão é um brioche super amanteigado, o hamburguer em si é alto e suculento e estava no ponto perfeito e o queijo surpreendeu e não robou a cena como se espera. Ah, e a montanha de batatinha foi sumindo devagar enquanto eu dizia para mim mesma “só mais uma”, até eu perceber que a última foi a última de fato.

Recomendado: Super. Só um porém, o hamburguer não é servido de jantar, e sim até as 16h30 para um late lunch. Mas nas minhas contas dá para chegar aqui seguindo nosso horários.

17h00 – Conhecer a Magnolia Bakery (401 Bleecker Street)

105 Magnolia{ foto }

Há distância de duas quadras do Spotted Pig, está a Magnolia Bakery. Não, eu não espero que você coma nada hoje agora… Mas já que estamos perto, acho legal ir conhecer se você não conhece. Todo o barulho da Magnolia Bakery se dá aos cupcakes lindos e de vários sabores surpreendentes da confeitaria, apesar que bolos e icebox cakes (bolos cremosos gelados) são também maravilhosos. Escolha um dos sabores do dia ou clássico (mas o melhor para mim é qualquer coisa que incluia Salted Caramel na descrição) e leve na caixinha para começar o seu dia seguinte extremamente doce bem! Outro sucesso é o Banana Pudding deles…

fotos. }

Encerrando o dia com drinks no Le Bain ( 848 Washington St)

109 Le Bain{ Calmaria antes da tempestadade – foto. }

Subindo um pouco de volta para a área do Whitney, é hora de terminar o dia como se termina em NYC  com um bar rooftop. No caso, o Le Bain do Standard Hotel. Apesar de não ser dica nova, ainda é um lugar que se mantém em alta… Entrar até umas 18h é, na maioria dos dias, o melhor plano. Apesar da lotação e renome, ainda é casual então fique a vontade para ir direto… Mais tarde, o clima é de balada e as coisas ficam mais wild. Nos dias de verão a parte aberta tende a ficar mais lotada, mas você sempre pode ir para o bar do piso inferior (mais vazio) e voltar pra o agito! Brinde com um som bom de fundo, a vista do Hudson river e um bom drink! ENJOY!

108 Le Bain{um Le Bain mais animado – foto. }

O que mais faltou? O que acharam? Mais alguma dica imperdível? Deixem nos comentários! Deixo meu adeus com os lookinhos, óbvios, que não podem faltar!

Chelsea 01 copy{ Greige: saia + regata + tênis + óculos + mochila }

Chelsea 02 copy{ What would Kendall do? jeans skinny + tênis + bolsa + óculos + top }

Chelsea 03 copy{Sport Chic: vestido + tênis + boné + bolsa}

IN A FEW WORDS: Even though this post titles Meatpacking, we are considering Chelsea and bit of West Village. This is one of the favorites days to spend in NYC. I start suggesting you to wear sneakers, with a few stylish options on top! Such a recent addiction… As the journey begins, I will start grabbing a Starbucks Iced Coconut Chai Latte in the North end of the High Line and make my way South in the High Line itself, all addresses above. We will stop first for food at the Chelsea Market, where  I strong recommend hitting the Lobster Place for the freshest fish and seafood ever. If you are in for a more american meal, Creamline  carries very delicious classics and do go for their cheesebacon. For brownies and cookies (among various amazing baking goods), take your time into Sarabeth’s… First meal done, we are heading for The Whitney Museum, a common and personal favorite, which you can see a few of what’s in exhibition on the gallery I placed above (all pics mine). If I could take one home? Steve from Hendricks! Next is our second meal at The Spotted Pig. We are going for burgers. Or grilled cheese. But please do order one of these two! Or both. This is part of their Lunch menu (until 3pm) and the Burger is also for late Lunch Menu, (until 5pm) so check your schedule. Since we are a few blocks away, let’s hit Magnolia Bakery for just a peek, or even getting something for tomorrow’s breakfast. And we will end this day at Le Bain, back around the  Whitney, starting with “drinks & chill” and see where the night goes.

 

xxx, BK.

Pin this post!

Pin 0003

 

COMPARTILHE:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *